RELAÇÃO ENTRE CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA, INTENSIDADE DO EXERCÍCIO E FUNÇÃO COGNITIVA DE IDOSOS FISICAMENTE ATIVOS: ESTUDO PILOTO MARCELO PORTO

Carlos Roberto Bueno Junior, Mariana Luciano de Almeida, Anderson Heiji Lima Miyasaki, Marcelo Papoti

Resumo


 

Introdução: O envelhecimento é um processo irreversível acompanhado por diversas alterações morfofisiológicas, que marcam o declínio nos sistemas orgânicos, acarretando diminuição da funcionalidade. Nos últimos dez anos a mortalidade por doenças cardiovasculares, acidente vascular encefálico e outras doenças sofreram declínio. Por outro lado, o número de mortes relacionadas às doenças cognitivas aumentaram significativamente. Objetivo: Avaliar a relação entre intensidade do exercício físico, capacidade cardiorrespiratória e desempenho cognitivo de idosos. Metodologia: Participaram do estudo 02 homens e 03 mulheres com faixa etária entre 65 e 75 anos, fisicamente ativos, submetidos a avaliações da capacidade cardiorrespiratória (VO2pico) por meio de análise de gases (TÊM 100 - Aerosport 3526, W Liberty suite 100), em esteira rolante e divididos aleatoriamente em 2 grupos: GEAb=02, submetidos a sessões de exercício em esteira, em domínio de intensidade de 60,7% do limiar anaeróbio (Lan) (4,8±1,8 km.h-1 ,por 33 minutos) e GEAc=03 em domínio de intensidade de 118% do Lan (7,1±1,4km.h-1, por 17 minutos), ambos os grupos com cargas de treinamentos equivalentes (Trimp=volume x intensidade ~ 2.006 unidades arbitrárias) e controle da intensidade por meio de monitoramento das concentrações de lactato sanguíneo. As funções cognitivas (atenção e orientação, memória, fluência, linguagem e domínio visuo-espacial) foram avaliadas por meio de questionários específicos (Exame Cognitivo de Adenbrooke Revisado (ACE-R)) aplicados nos momentos pré e pós sessões de exercício. Teste t de Student e ANOVA oneway foram aplicados para comparação entre as intensidades das sessões de treinamento. Resultados: Observou-se diferença significativa (p<0,05) nas concentrações de lactato entre as intensidades das sessões de treinamento (GEAb=1,4±0,2-GEAc=5,2±0,2mmol.L-1). Por outro lado, as avaliações neuropsicológicas não demonstraram diferença entre os grupos, porém variações positivas foram encontradas na função memória, apenas nos indivíduos que apresentaram maior capacidade cardiorrespiratória. Conclusão: Conclusão: Diante dos resultados observados, conclui-se que a capacidade cardiorrespiratória desempenha efeito positivo sobre a saúde mental, principalmente sobre a função memória de idosos fisicamente ativos e, aparentemente sem influência da intensidade da sessão de treinamento. Aplicabilidade Prática: Os resultados demonstrados ressaltam a importância da prática regular do exercício físico e a necessidade da ampliação dos estudos, para o aprofundamento sobre o conhecimento da melhor dose resposta do exercício físico sobre a função neural de idosos.

 


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais (IFSULDEMINAS)
Pró-Reitoria de Extensão (PROEX)
Avenida Vicente Simões, nº 1111 - Nova Pouso Alegre
Pouso Alegre-MG
CEP: 37550-000