A INFLUÊNCIA DO JOGO DE TABULEIRO LABIRINTO NO DESEMPENHO DA AUTONOMIA DE DEFICIENTES INTELECTUAIS

Rafaela Aparecida Rodrigues Russo, Ieda Mayumi Sabino Kawashita, Jefferson de Lima

Resumo


Introdução: Este trabalho é a parte inicial de uma pesquisa propõe-se em intervir por meio de um jogo de tabuleiro – labirinto, a acessão de desempenho na autonomia de alunos deficientes intelectuais. A proposta compreende-se por fases que abrangem, desde o jogo labirinto no papel até o jogo nas ruas da cidade. Para este trabalho será apresentada a avaliação diagnóstica, sobre os conhecimentos do aluno em relação a locais da cidade. Objetivo: Certificar se os alunos conhecem alguns pontos importantes da cidade onde moram e os sinais de trânsito. Metodologia: A pesquisa foi realizada com alunos que estudam em uma sala multisseriada 4º e 5º ano da Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), correspondendo às idades de 10 à 12 anos. A abordagem presente neste trabalho é o método misto, acontecerá uma coleta de dados por meio de questionário diagnóstico composto por duas partes, primeira: os alunos responderão perguntas fazendo uma leitura de fotos dos lugares mais conhecidos da cidade onde moram, segunda: fazer a leitura de imagem de tipos de sinalização que existem nas ruas da cidade. Resultados: De acordo com a avaliação diagnóstica os resultados de acertos em porcentagem em relação aos locais da cidade foram: Hospital 87.5%, Alto do Cruzeiro 87.5%, Poliesportivo 25%, Rodoviária 62.5%, Prefeitura 87.5%. Observa-se que a primeira parte do questionário que os participantes conhecem menos o Poliesportivo da cidade. Pode-se levantar as hipóteses: que os lugares menos conhecidos não fazem parte do cotidianos dos alunos, que os lugares são mais distantes de suas casas. Em relação às sinalizações foram: Faixa de pedestres 50%, Pare 100%, Pode virar a esquerda 75%, Proibido trânsito de pedestre 50%, Travessia de pedestre 62,5% e Via de mão dupla 37,5%. A importância de se conhecer as sinalizações de trânsito são por motivo de se locomover na cidade com segurança, ou seja, metade dos alunos não conhece as faixas de pedestre que são os lugares indicados para se fazer a travessia da rua com segurança. Nesta perspectiva a mobilidade de forma autônoma na cidade pode ser prejudica, pois as famílias não lhes oportuniza saírem sem acompanhamento, o que restringe a liberdade de ir e vir. Conclusão: Conclui-se que os alunos têm conhecimento de alguns lugares importantes da cidade e da sinalização de trânsito, porém é importante trabalhar esses pontos para a autonomia, proporcionando meios para que consigam se locomover com segurança na cidade onde residem. Aplicabilidade Prática: Como trabalhar de forma lúdica a autonomia de locomoção de pessoas com deficiência intelectual.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais (IFSULDEMINAS)
Pró-Reitoria de Extensão (PROEX)
Avenida Vicente Simões, nº 1111 - Nova Pouso Alegre
Pouso Alegre-MG
CEP: 37550-000