A INICIAÇÃO UNIVERSAL COMO UMA POSSIBILIDADE DE ENSINO DOS ESPORTES: UMA RELAÇÃO DA TEORIA COM A PRÁTICA

Luis Gustavo Silveira, João José de Oliveira Cesário, Paulo Henrique Fioravante de Souza, Joice Mayumi Nozaki

Resumo


Introdução: A Pedagogia do Esporte surge a partir do interesse da sociedade pelas práticas corporais, fazendo do esporte um dos fenômenos mais importantes deste século. O esporte é um patrimônio da humanidade e vem apresentando grande contribuição para as propostas estruturadas ao processo de ensino e aprendizagem, onde esse fenômeno sociocultural é desenvolvido em meio às relações humanas, o que torna o esporte mais fascinante é sua pluralidade de significados. Dentro dessa pluralidade, nos deparamos com as diversas estratégias e metodologias de ensino, onde podemos utilizar diversas abordagens de ensino apresentadas por diferentes autores. No entanto, ainda existe uma lacuna entre a teoria e a prática pedagógica dentro do ensino dos esportes. Objetivo: Apresentar um relato de experiência sobre uma intervenção embasada na iniciação esportiva universal de Greco e Benda (1998). Metodologia: Durante os estudos do Grupo de Estudos de Metodologia do Ensino dos Esportes Coletivos (GEMEEC), que ocorrem no GEPPEM do Ifsuldeminas/Muzambinho foi proposto uma tentativa de colocarmos a teoria na prática. A partir das discussões do artigo Pedagogia do esporte: panorama e análise conceitual das principais abordagens, elaboramos uma proposta de intervenção prática pautada na teoria da iniciação esportiva universal proposta por Greco e Benda (1998). Participaram desta intervenção 15 pessoas (14 discentes e 1 docente). A proposta se pautou pelo: jogo dos passes, onde o objetivo era receber a bola dentro do bambolê, colocando alguns tipos de pressão durante a intervenção. Resultados: Apareceram como pontos positivos: a participação ativa de todos, tornando a atividade proposta bem inclusiva; a assimilação objetiva da atividade, onde a maioria dos integrantes compreenderam os conteúdos e objetivos da intervenção; a compreensão dos diversos tipos de pressão (aumentaram o grau de complexidade durante a atividade), realizando as devidas adaptações para o jogo acontecer de forma dinâmica e para que todos entendessem a proposta aplicada. E como pontos negativos: deixar o jogo muito complexo, colocando mais uma bola no jogo, o que atrapalhou o desenvolvimento do jogo; e os participantes esqueceram das pontuações da atividade e se preocuparam apenas com a troca de passes. Conclusão: Compreendemos que essa vertente da Pedagogia do Esporte se apresenta como algo possível de ser utilizado para o ensino dos esportes em diversas faixas etárias, além de poder ser utilizado em diversas fases do ensino (iniciação, intermediário ou alto rendimento). Vale ressaltar que há a necessidade de mais trabalhos nessa área, para diminuirmos a lacuna entre a teoria e a prática no ensino dos esportes. Aplicabilidade prática: Este trabalho pode ser utilizado como um norte para auxiliar nos planos de ensino esportivos e também como uma simples possibilidade de ensino dos esportes de invasão.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais (IFSULDEMINAS)
Pró-Reitoria de Extensão (PROEX)
Avenida Vicente Simões, nº 1111 - Nova Pouso Alegre
Pouso Alegre-MG
CEP: 37550-000