SURDEZ E DEFICIENTE AUDITIVO: UMA REFLEXÃO A RESPEITO DA INSERÇÃO DOS MESMOS

Amanda Cristina de Castro, Rebeca Baptista Fonseca Viana, Ieda Mayumi Sabino Kawashita

Resumo


Introdução: Sabe-se que pessoas surdas ou com deficiência auditiva – DA, ainda muito sofrem quando se trata de inclusão. Já que, compreende-se que a inclusão só será efetiva se os atores deste processo conseguirem “conversar” entre si, não apenas o intérprete e tradutor de Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS com o DA, mas uma interação com a sociedade, possibilitando a inclusão e inserção dos mesmos em todos cenários. Objetivo: Este trabalho tem como objetivo analisar e refletir a respeito da inserção do surdo e do deficiente auditivo em ambientes como: a escola e a

sociedade. Metodologia: Esta pesquisa é quáli-quantitativa, na qual pretende-se validar as respostas obtidas com a aplicação do questionário, e, assim, analisar e discutir os motivos das respostas. O questionário foi aplicado no encontro “Café com Prosa”, oferecida pelo NAPNE no campus Muzambinho. O tema era Deficiência Auditiva e Surdez. A duração da palestra foi de 60 minutos. Os questionários com dez questões foram entregues aleatoriamente, e respondidos durante a palestra, após 30 minutos do início da mesma. Neles eram contidas dez questões discursivas relacionadas ao tema. Para este trabalho selecionamos quatro das perguntas do questionário para serem discutidas ao longo do trabalho. Resultados: Para discorrer sobre a inclusão do surdo e do deficiente auditivo selecionamos questões que abordam sobre o contato dos mesmos na sociedade, escola e do conhecimento dos participantes a respeito da Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS. Ao indagar as respostas obtidas no questionário, verifica-se que a maioria relata que o surdo e o DA não são incluídos na sociedade, uma das supostas justificativas para tal é que poucos possuem conhecimento sobre a LIBRAS. E um meio para reverter esse quadro, seria discutir sobre o assunto em escolas, fazendo com que a inclusão seja expandida e eficaz. Conclusão: Dado o exposto, percebe-se que os surdos e DA não são totalmente inclusos no ambiente social. Visto que a maioria das pessoas não têm conhecimento sobre como comunicar e interagir com os mesmos. Para tal, faz-se necessário que desde o início do processo de aprendizagem as escolas implementem assuntos para discutir e possibilitar a inclusão deste público, além de se prepararem para recebê-los. Constatamos que a inclusão dos surdos e DA será mais eficaz se a comunidade tivesse conhecimento sobre a LIBRAS. Aplicabilidade Prática: Compreender que na prática a inclusão se efetiva quando as pessoas com e sem deficiência conseguem estabelecer comunicação concreta. Incluir não é estar no mesmo ambiente é fazer parte do mesmo ambiente, com as mesmas oportunidades.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais (IFSULDEMINAS)
Pró-Reitoria de Extensão (PROEX)
Avenida Vicente Simões, nº 1111 - Nova Pouso Alegre
Pouso Alegre-MG
CEP: 37550-000