A SUPLEMENTAÇÃO DA CURCUMINA ATENUA O DANO MUSCULAR APÓS O EXERCÍCIO EXCÊNTRICO DOS FLEXORES DO JOELHO?

Herbert Coniaric Júnior, Willian Davi Silva, Nicholas Glauber dos Santos Gomes, Elisângela Silva, Renato Aparecido de Souza, Wagner Zeferino de Freitas

Resumo


Introdução: O exercício físico com grande número de contrações excêntricas induz o dano muscular (CLARKSON et al., 1992). Este dano por si desencadeia respostas inflamatórias (TIIDUS, 1998), podendo reduzir a capacidade de realizar atividades diárias e desempenho atlético. Assim, é importante atenuar as respostas inflamatórias com o propósito de prevenir ou minimizar os danos musculares após o exercício. Para tal, pode-se fazer uso da ingestão oral de substâncias anti-inflamatórias (CONNOLLY et al., 2003). Portanto, o objetivo deste estudo foi verificar se a suplementação de curcumina antes e 12 horas, após exercício excêntrico isocinético dos flexores do joelho atenuaria a magnitude de dano muscular Objetivo: VERIFICAR SE A SUPLEMENTAÇÃO DE CURCUMINA ATENUA OU NÃO O DANO MUSCULAR APÓS O EXERCÍCIO EXCÊNTRICO DOS FLEXORES DO JOELHO? Metodologia: Quinze homens jovens, voluntários e não treinados formaram dois grupos randomizados. No total, 8 indivíduos compuseram o grupo denominado placebo (GP) (24,4±4,9 anos, estatura média de 175,4± 3,1 cm e massa corporal 79,9 ±18,1 kg) e, 7 indivíduos formaram o grupo que ingeriu curcumina (GC) (23,6±2,9 anos, estatura média de 174,9± 2,9 cm e massa corporal 73,5 ±12,4 kg). O GC ingeriu corcumina e o GP ingeriu amido, ambos tomaram 150 mg de por via oral 1 hora antes e 12 horas após cada exercício excêntrico. Eles realizaram 5 séries de 12 contrações excêntricas máximas dos flexores do joelho direito, a uma velocidade angular de 120°/s, em um dinamômetro isocinético com 30 segundos de pausa entre as séries. O pico de torque da contração voluntária máxima (CVM) dos flexores do joelho foi mensurado nos momentos pré-teste, imediatamente após e 24, 48 e 72 horas após o exercício em ambos os grupos. As alterações no pico de torque ao longo do tempo foram comparadas entre as condições de curcumina e placebo através da ANOVA two-way com medidas repetidas. Resultados: O pico de torque da CVM para ambos os grupos diminuiu significativamente após as séries de excêntrico em todos os momentos em comparação aos valores do pré-teste (p<0,05). No entanto, nenhuma diferença significativa foi encontrada entre os grupos. Conclusão: Conclui-se que a ingestão de curcumina 1 hora antes e 12 horas após o exercício excêntrico dos flexores do joelho em homens não treinados, possivelmente não atenuou a magnitude do dano muscular promovendo a redução do pico de torque diferentemente dos resultados encontrados por Tanabe et al (2015). Portando, sugere se que a ingestão de curcumina pode não ter efeitos benéficos na recuperação do dano muscular excêntrico provocado pelo exercício. Aplicabilidade Prática: Uso da Cúrcuma Longa como uma opção de anti- inflamatório natural para recuperação de danos musculares.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais (IFSULDEMINAS)
Pró-Reitoria de Extensão (PROEX)
Avenida Vicente Simões, nº 1111 - Nova Pouso Alegre
Pouso Alegre-MG
CEP: 37550-000