NÍVEIS DE FORÇA DE PREENSÃO ASSOCIADOS COM FATORES ANTROPOMÉTRICOS EM CRIANÇAS NO MUNICÍPIO DE FUSAGASUGÁ, COLÔMBIA

Diana Marcela Zapata Torres, Danny Wilson Sanjuanelo Corredor, Edilberto Torres Mariño, Oscar Alejandro Bello Beltran, Diana Constanza Mora Bernal

Resumo


Introdução: O nível de saúde e bem-estar físico em crianças e adolescentes é uma prioridade nos objetivos de desenvolvimento sustentável, isso depende de fatores ambientais, biológicos e socioculturais em que se desenvolve a formação diária de hábitos e comportamentos que são promovidos na escola e o interior do núcleo familiar. De acordo com a dinâmica da globalização tem levado a um aumento excessivo do uso massivo de tecnologias da informação e comunicação, modificado, bem como, a dinâmica cinética do movimento diário onde cada vez que a tecnificação gera uma mudança de comportamento no sentido de comportamentos sedentários, que desenvolvem doenças, hipocinéticas progredindo para doenças crônicas não-transmissíveis. De acordo com estatísticas da Organização Mundial de Saúde, afirma que as crianças devem ser a prioridade de todas as sociedades, considerando o bem-estar como elemento essencial para a redução da prevalência da doença, em 2016 apresenta um cenário em que há 41 milhões de crianças e adolescentes que relatam problema associado com o aumento de peso com risco de sobrepeso e obesidade (OMS, 2016). Este panorama global afeta todas as nações, no caso particular da Colômbia, o nível epidemiológico relata que crianças em idade escolar entre 5-12 anos há 24,4% de excesso de peso e em adolescentes entre 13-17 anos há 17,9%, esta estatística foi relatada em de dezembro de 2017 avaliada por meio do Pesquisa Nacional do estado nutricional na Colômbia. Este problema de saúde, requer estratégias de intervenção oportuna com a necessidade da população de acordo com as orientações do Fundo das Nações Unidas (UNICEF) se prioriza realizar o monitoramento dos processos de crescimento e desenvolvimento, a partir da medição dos aspectos antropométricos no qual identifica a prevalência dos fatores de risco. A nível estatísticos, a

recomendação a partir das evidencias estabelece conhecer o valor de uma variável e o valor médio de uma população sobre o desvio padrão da população da referência, esta categoria corresponde a pontuação z-scores, a qual estatisticamente permitem saber se o processo de desenvolvimento corresponde ao crescimento dos componentes físicos, caracterizando a população em parâmetros de normalidade, déficit ou excesso de peso, altura, índice de massa corporal, percentual de gordura e índice de cintura assim como as variáveis para análise neste projeto. Os estudos antropométricos permitem realizar perfis da população com o fim de conhecer as necessidades básicas da população a partir das características de composição corporal, tal como estabelece o ACSM, é necessário realizar um processo de estratificação de risco, no que se tenha acesso a informações sobre as características biológicas do indivíduo para estabelecer o desenvolvimento de comportamentos que melhorem o nível de saúde. Objetivo: Determinar os níveis de força preensão para estabelecer o risco cardiovascular associado aos componentes antropométricos, em escolas do Município de Fusagasugá, Colômbia Metodologia: Estudo descritivo, corte transversal, participaram crianças e adolescentes do município de Fusagasugá Colômbia, selecionados por conveniência. Se tomarão medidas de força preensão (dinamômetro digital Takei TKK 5101- faixa 5-100 kg), peso (Tanita BF 689), altura (estadiômetro seco 206), percentagem gordura (bioimpedância), índice de cintura (fita métrica retrátil). Realizou-se uma análise de informação a partir de estatística descritiva e correlacionar entre variáveis utilizando o Programa R. Implementou-se a normatividade estabelecida pelo Ministério de Saúde estabelecendo-se como de mínimo risco a investigação, se diligencio o consentimento informado por parte do representante legal, assentimento informado de participação voluntária por parte do menor de idade e contou-se com o aval de princípios éticos. Resultados: Participaram duas Instituições Educativas do Município de Fusagasugá, 283 homens estudantes escolares (58,7%) e 199 mulheres estudantes (41,2%). A idade dos participantes entre 10-17 anos, distribuídos com as seguintes características; 10 anos (4%), 11 anos (10%), 12 anos (22%), 13 anos (23%), 14 anos (18%), 15 anos (12%), 16 anos (7%), 17 anos (4%). Avaliaram-se os componentes antropométricos, achando os seguintes resultados; na variável de índice de massa corporal determina-se que nas meninas se reporta o maior índice aos 13 anos com um valor média de 21 ± 3 atingindo um valor de 26.5 e outro incremento aos 15 anos com uma média de 23 ± 4, reportando-se o maior índice com um valor 27,6, no caso dos meninos reporta-se aos 11 anos com um valor média de 18 ±3 atingindo um valor máximo de 24 e aos 15 anos um valor média 19 ± 3 atingindo seu máximo valor em 24,2. Ao realizar a avaliação do índice de massa corporal general em todos os participantes toma-se como refere o Estudo Helena no qual indica como incremento de risco aqueles valores que sejam reportados >p75 (14) o qual identifica que o 26% reporta incremento do peso sobre a estatura corporal. Considerando esses participantes com maior predisposição no desenvolvimento de fatores de risco em seus níveis de saúde. Na medida do índice de cintura reporta-se uma ondulação constante nas meninas, identificando como pontos máximos aos 11 anos (78cm), 13 anos (73cm) e aos 16 anos (82cm), no caso dos meninos apresentam-se dois incrementos à idade de 11 (76cm) anos e 15 anos (79cm). Identifica-se excesso de índice de cintura em 140 escolares o qual corresponde ao 29% do total de participantes, distribuído segundo faixa de idade com as seguintes percentagens; aos 9 anos (2%), 10 anos (3%), 11 anos (6%), 12 anos (6%), 13 anos (5%), 14 anos (3%), 15 anos (2%) e 16 anos (1%). Com respeito à variável de percentagem de gordura identifica-se maior incremento nas meninas que nos meninos. No caso das meninas o máximo pico de incremento de percentagem de gordura reporta-se à idade de 13 anos > 35% e no caso dos meninos representam-se dois períodos de incremento aos 11 anos (>25%) e aos 15 anos (>23%). Na variável de força preensão da mão direita identifica-se um crescimento ponderal de em

meninos entre os 14- 16 anos com valores médios entre (26 ±5kg – 34 ±8kg), atingindo o máximo valor aos 16 anos com 46,4 k O comportamento desta variável nas meninas reporta o máximo nível de força preensão da mão esquerda aos 17 anos com um valor de 35,9kg. Realiza-se a correlação entre as variáveis objeto de estudo, identificando que existe correlação positiva entre todas as variáveis com valores de probabilidade associados às correlações as quais se encontram entre 0,0391 e <0,0001. A correlação mais alta acha-se entre a variável preensão manual direita e preensão manual esquerda com um ?0.92 e u pvalor de <0,0001 A correlação mais baixa reporta-se entre idade e percentagem de gordura com um ?0.14 e pvalor de 0,0391. Na correlação de variáveis no sexo masculino identifica-se, que não existe correlação entre índice de cintura com força preensão da mão direita, mão esquerda e IMC, onde os valores de probabilidade são > 0,05 reportasse correlações negativas entre percentagem de gordura e quatro variáveis de estudo (idade, estatura, força preensão da mão direita e mão esquerda) com valores de correlação que se reportam entre -0,27 e -0,13 e pvalores entre 0,0149 e <0.0001 Existe correlações positivas de percentagem de gordura com as variáveis de peso, índice de cintura e IMC com valor 0.0002 e <0.0001. A maior correlação é encontrada entre a variável peso e estatura em crianças com ?0.840 (pvalor <0.0001). Estimou-se pontos de corte para identificação de fatores de risco por um critério de baixa condição muscular em braços, a partir dos índices estabelecidos no estudo HELENA no qual indica como risco aqueles participantes que se encontram por embaixo do percentil 20 em sexo masculino e feminino, detectando com baixa condição muscular a nível feminino 11% (52 meninas) e a nível masculino 16% (75 meninos), identificando-se o maior risco entre os 12- 13 anos sendo o 17% (79 escolares )do total de participantes. De acordo com a evidência na literatura estima-se que por processos de crescimento e desenvolvimento nas idades entre 13 -15 anos se experimenta o maior valor exponencial do desenvolvimento da curva de crescimento, pelo qual é importante monitorar em fases sensíveis de crescimento associados em variáveis de condição física. Conclusão: A partir das variáveis antropométricas identifica-se que as meninas reportam valores mais altos de IMC que os meninos (meninas entre 16- 25, meninos entre 16 -23). Nas meninas reporta-se um incremento aos 13 e 15 anos principalmente e nos meninos o maior incremento da variável realiza-se aos 11 e 15 anos. Ao avaliar a relação do peso e a estatura detecta-se ao 26% do total de estudantes com >p75 incrementando os fatores de risco. Por índice de cintura detecta-se que o 29% do total de participantes reporta um índice incrementado da variável para a idade, detectados a partir >p75 no qual se identificaram 140 estudantes, aumentando o nível de fatores de risco cardiovascular. Conclui-se que os níveis de força da preensão da mão direita e mão esquerda se correlacionam positivamente no caso das meninas associado às variáveis objeto de estudo na qual se destaca que existe maior nível de força da mão direita associado à idade, estatura, peso, percentagem gordura, índice de cintura e IMC. Detecta-se com um baixo nível de condição muscular ao 26% (127 estudantes) do total de participantes. Conclui-se que à medida que os meninos incrementam idade e estatura se diminui a percentagem de gordura corporal, igualmente se diminui esta variável relacionado com o incremento de força preensão da mão direita e mão esquerda. O nível de força preensão entre hemi corpo é significativo (<0.0001) com um coeficiente de ? 0.770 que indica um valor mais baixo em frente ao encontrado nas meninas, o que implica que, existe maior diferença no desenvolvimento de força em lateralidade em meninos que em meninas. Aplicabilidade Prática: Ao identificar os índices de condição muscular desde a avaliação de força preensão pode ser estimado a relação com a antropometria estabelecendo-se o nível de risco cardiovascular forma precoce associado a parâmetros de condição física para a saúde. O qual permite no contexto escolar direcionar estratégias de promoção da saúde de acordo às necessidades específicas do grupo

populacional, com o fim de favorecer processos de crescimento e desenvolvimento adequados através da alavancagem de hábitos saudáveis na escola.

 


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais (IFSULDEMINAS)
Pró-Reitoria de Extensão (PROEX)
Avenida Vicente Simões, nº 1111 - Nova Pouso Alegre
Pouso Alegre-MG
CEP: 37550-000